Iguatemi

Iguatemi

domingo, 27 de setembro de 2015

A homossexualidade é uma experiência evolutiva


Na semana passada, solicitei através do meu facebook, sugestões para temas a serem abordados à luz da doutrina espírita em nossa coluna e, dentre os temas sugeridos, a homossexualidade foi a escolhida para esse final de semana. Por se tratar de um tema atual e de interesse de muitos lares e da nossa sociedade.

As informações que trazemos dizem respeito ao pensamento dos Espíritos que, numa visão mais ampliada e a luz do conhecimento adquirido em suas vivências, nos instruem acerca da nossa trajetória evolutiva. A obra escolhida para nossa orientação foi o Livro – Vida e Sexo – Emmanuel, complementada por informações de O Livro dos Espíritos.

Na obra Vida e Sexo, o espírito Emmanuel esclarece que, a homossexualidade, não encontra explicação fundamental nos estudos psicológicos que tratam do assunto em bases materialistas, mas é perfeitamente compreensível, à luz da reencarnação.

Segundo nos informam os Espíritos nas questões 201 e 202 de O Livro dos Espíritos, são os mesmos os Espíritos que animam os homens e as mulheres, ou seja, o Espírito passa por fileira imensa de reencarnações, ora como homem, ora como mulher. Quando no mundo dos Espíritos em preparação para novo reencarne, o que o guia na escolha são as provas por que haja de passar. Reconhece que a reencarnação propicia aprendizado intelectual, moral e, principalmente, no campo do sentimento. Escolhe, pois, a prova que lhe propicie maior adiantamento por entender que, aquele que só como homem encarnasse só saberia o que sabem os homens.

Continuando com Emmanuel: “Ao envergar o casulo físico, demonstrará fatalmente os traços da feminilidade ou masculinidade em que terá estagiado por muitos séculos”. Não querendo isso dizer que o homem delicado, sensível, assim como a mulher com traços de masculinidade, necessariamente serão homossexuais. O homem poderá dedicar-se sem constrangimento às atividades do lar, assim como, a mulher voltar-se para atividades reconhecidamente masculinas, conforme experiências anteriores. São Espíritos que vivenciaram suas experiências reencarnatórias com equilíbrio e que se candidatam a novos aprendizados.

O homossexual, por ter utilizado o sexo de forma desequilibrada, em total desrespeito ao sexo oposto, ao mudar a polaridade, ou seja, ao reencarnar em outro sexo, para aprender as lições que somente nesta condição aprenderia, traz a mente voltada para as experiências vividas e, no caso da mulher, como seu objeto de desejo era o homem, se sente desconfortável no papel de homem e continua a buscar parceiros masculinos. Da mesma forma acontece ao sexo masculino ao mudar a polaridade para o sexo feminino. É um espírito que está se sentindo desconfortável no corpo que está habitando, pois, com seu psiquismo voltado para determinado sexo, reencarna em sexo oposto e não se adapta.

Daí poder ser observado já na infância, os trejeitos, as afinidades de meninos ou meninas, com brincadeiras e uso de objetos do sexo oposto, como roupas e acessórios. Orienta o espírito Emmanuel que, observadas as tendências homossexuais dos companheiros reencarnados nessa faixa de prova ou de experiência, é forçoso se lhes dê o amparo educativo adequado, tanto quanto se administra instrução à maioria heterossexual. É dever da Família (Sociedade) abraçar com amorosidade o homossexual, compreendendo sua natureza, suas possibilidades e seus desafios, auxiliando-o para viver de forma harmoniosa a condição de prova em que a reencarnação o situou. As noções da moral cristã de respeito a si mesmo e aos outros, assim como, o incentivo ao estudo e ao trabalho, possibilitarão conduzir-se com equilíbrio, sem os desregramentos que culminam na prostituição.

Informa o benfeitor que, essa ocorrência vai crescendo de intensidade e de extensão, com o próprio desenvolvimento da Humanidade, pois, a homossexualidade é uma experiência evolutiva. Isso quer dizer que, espíritos estarão mudando a polaridade e, mais e mais lares receberão espíritos nesta condição de aprendizado, na feição de filhos ou netos. E alerta: Por enquanto, nenhum de nós consegue conhecer-se tão exatamente, a ponto de saber hoje qual o tamanho da experiência afetiva que nos aguarda amanhã.

Nenhum comentário:

Postar um comentário