Iguatemi

Iguatemi

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Seriados que curti na infância

Com a proximidade do Dia das Crianças, as pessoas estão trocando a imagem de seu perfil no Facebook, por desenhos animados ou personagens infantis que marcaram época. Pensando em qual seria o personagem que escolheria para colocar no meu perfil, não pude evitar de voltar no tempo e relembrar as séries que marcaram a minha infância. 
Vários seriados atrairam a minha atenção, mas, dentre eles, Perdidos no Espaço, Jeannie é um Gênio e a Feiticeira, foram os mais assistidos. Até mesmo porque, uma dificuldade se apresentava, não tínhamos televisão em casa. Àquela época (1969), o sinal de televisão em minha cidade, Juazeiro do Norte, era recente e, só quem tinha televisão em casa eram as pessoas de melhores condições financeiras. Somente na Copa de 70 é que meu pai comprou um aparelho de televisão, o que favoreceu não só a nós como a quase que a rua inteira. Por ocasião dos jogos da copa, a casa ficava repleta de pessoas e até nas calçadas, tentando assistir pela janela. 

Da mesma forma, antes que a nossa TV fosse adquirida, eu fugia de casa nos dias dos seriados de minha preferência, e ia para a Rua da Glória, em Juazeiro do Norte, na casa da amiga Fátima, percorrendo uma distância equivalente a distância da prefeitura de Parnaíba  Praça da Graça, façanha que sempre me custava surras ou castigos, pois, os seriados terminavam por volta de 18:30h e meu pai não perdoava essas fugas.
Depois, com a aquisição da nossa TV Colorado RQ, 24 polegadas, preto e branco é que pude assistir outros também de minha preferência, como: Daniel Boone, Daktari, James West, Zorro e outros que já nem lembro, creio que por não terem sido tão importantes.
A internet nos permite rever um pouco desses momentos que divido com vocês.

A série Jeannie é um Gênio
O então Capitão Anthony Nelson, piloto da Força Aérea Americana e depois astronauta da NASA, cai acidentalmente numa ilha, onde encontra uma misteriosa garrafa. Ao abri-la, descobre que a mesma era a morada de uma moça chamada Jeannie, que é um gênio das histórias das Mil e Uma Noites, com incríveis poderes e que o chama de "amo". O piloto a liberta, mas a moça se apaixona por ele e o acompanha até sua casa nos Estados Unidos, onde passa a tumultuar a vida do pobre homem. Wikipédia.  

A Feiticeira
Samantha e James seriam um típico casal americano se não houvesse um detalhe inusitado: Samantha tem o poder de fazer mágica com uma simples torcidinha do nariz. E o marido James, um publicitário atrapalhado, também tem características incomuns, apesar de não ter nenhum poder excepcional. Quando descobre os dons da jovem esposa prefere ignorá-los, sem jamais contar com eles na solução dos seus problemas. Ele segue trabalhando duro, levando bronca do chefe, sem pedir ajuda a sua bruxinha particular. Já Samantha, fiel a sua origem, está sempre tentada a usar todos os seus poderes, para facilitar a vida do casal.
James se irrita com as magias da mulher e principalmente com as interferências de Endora, que além de sogra é uma terrível bruxa, sempre importunando a vida do casal. Eles tem dois filhos, a esperta bruxinha Tabatha, que segue os passos da mãe na magia e Adam, o filho mortal. Wikipédia.
 
Perdidos no Espaço
A história do seriado se passa no futuro. Em 16 de outubro de 1997, a espaçonave Júpiter 2 está em contagem regressiva para ser lançada ao espaço com a família Robinson, que tentará colonizar um planeta em Alfa Centauri, projeto que resolveria o problema da superpopulação da Terra.
Participavam também da expedição, além do Professor John Robinson, sua esposa Maureen Robinson, e seus filhos, Judy, Will e Penny, o Major Don West que era o piloto da nave Jupiter 2 (no episódio-piloto a nave chama-se Gemini 12 — alusão ao projeto Gemini, do programa espacial norte-americano).
Um espião estrangeiro infiltrado sabota a missão, levando-os a ficar perdidos no espaço. No entanto, este espião-sabotador acaba preso na nave com a família Robinson. Ele é o Doutor Zachary Smith. Wikipédia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário